Search
Close this search box.

Uma proporção justa do mercado voluntário de carbono?

Como a ausência de regras padronizadas sobre os acordos de partilha de benefícios prejudica as comunidades locais e os povos indígenas

Como e em que medida os benefícios da venda de créditos de carbono são partilhados com os responsáveis pela implementação dos projetos e com as comunidades locais onde os projetos estão localizados? Esta é a questão que o Öko-Institut investigou e o relatório resultante, encomendado pelo Carbon Market Watch, fornece informações e respostas.

O Öko analisou as regras existentes em matéria de acordos de partilha de benefícios (as cláusulas contratuais que distribuem os benefícios dos projetos climáticos pelas partes interessadas, incluindo os povos indígenas e as comunidades locais) de programas e padrões de crédito de carbono selecionados, para além de avaliar as disposições de partilha de benefícios na documentação de projetos selecionados que estão registados ao abrigo destes padrões.

O estudo revela que as regras e a aplicação dos acordos de partilha de benefícios são insuficientes. O relatório revela, de forma preocupante, que apenas dois dos cinco padrões de carbono avaliados fazem referência a «acordos de partilha de benefícios» nos seus documentos normativos.
No total, foram analisados 47 projetos e apenas 15 mencionavam acordos de partilha de benefícios nos seus documentos de conceção do projeto. Destes15 projetos, apenas quatro continham «provas de partilha de benefícios com outras partes interessadas que não apenas os executores do projeto». Destes, apenas um único projeto publicou provas de ter distribuído benefícios que vão para além de meros pagamentos por resultados. O pagamento por resultados e a partilha de benefícios não devem ser considerados equivalentes, uma vez que o primeiro é semelhante a salários ou remunerações pelo trabalho efetuado.

Embora a pesquisa não abranja todo o mercado, a amostra do estudo está inclinada para projetos que têm maior probabilidade de ter um desempenho melhor do que a média do mercado no que diz respeito à partilha de benefícios. De um modo geral, é provável que a partilha de benefícios no mercado voluntário do carbono seja extremamente escassa.

Esta nota informativa destaca as cinco principais lições da avaliação do Öko e sugere recomendações para garantir que os benefícios resultantes de projetos de mercado voluntários sejam mais equitativos e apoiem os PICL. Os padrões devem exigir que todos os projetos tenham acordos de partilha de benefícios robustos e claramente definidos. A partilha de benefícios deve ser separada dos pagamentos por resultados, enquanto a apresentação de relatórios claros e coerentes deve ser a norma. Incentivamos o ICVCM a adotar regras claras que exijam que a partilha de benefícios seja regulada por padrões.

Powered By EmbedPress

Related publication

Powered By EmbedPress

Related publications

Join our mailing list

Stay in touch and receive our monthly newsletter, campaign updates, event invites and more.